Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2020

Tabor - Idade Média

Imagem
Alguns instrumentos de sopro e de percussão nos possibilitam caminhar enquanto tocamos. No caso do Tabor, é o mesmo músico que toca ambos os instrumentos, sopro e percussão. Durante o deslocamento faz ritmos com uma das mãos e melodias com a outra. O musicista precisa abrir-se certa multiplicidade do fazer musical.
O tabor é um instrumento utilizado na Idade Média e consiste de uma flauta de três furos e tambor tocado por um único músico. A flauta é feita de madeira, metal ou plástico e constitui-se de um tubo cilíndrico de furo estreito. O Tabor era responsável por melodias e ritmos bastante simples. No vídeo temos um instrumentista caminhante que toca Tabor.

Bateria #2 - Concepção e montagem

Imagem
ConcepçãoA seção rítmica na música popular ganha outras possibilidades de expressão, de performance e interação com o surgimento da bateria. No século XX o kit de tambores se estabelece com autonomia dentro da família de instrumentos de percussão. Um dos elementos chave para esse desenvolvimento foi a inserção dos mecanismos acionados pelos pés para percutir tambores e pratos. Ou seja, a partir da criação dos sistemas de acionamento mecânico tornou-se possível um novo instrumento, a bateria. 
William Ludwig tem papel importante para o surgimento da bateria. Em 1909 ele criou o pedal de bumbo. Este é um acessório de ação fundamental para que o músico toque o centro da pele do tambor com os pés. Sem o bumbo não temos um kit de bateria na versão mais tradicional do instrumento. O bumbo exerce primeiramente uma função de fonte sonora no kit de tambores. Também é responsável pela sustentação dos tom-tons.
Ludwig nasceu na Alemanha e ficou mundialmente conhecido por ter produzido essa primeira…

Protesto de Contracapa - Tom Zé

Imagem
Em 1968 Tom Zé vence o Festival da Record com a canção São Paulo, meu amor (1º lugar Premiação pelo júri especial, 5º lugar juri popular). 
Dois anos depois o artista grava o disco Tom Zé. Na contracapa desse disco é possível encontrar o texto:“As melhores ideias deste disco, devem ser divididas com os meus alunos de composição da SOFISTI-BALACOBACO (muito som e pouco papo) e com Augusto de Campos. Foi, por exemplo, um exercício proposto a Ricardo Silva e Ciumara Catto (Limeira-SP) o ponto de partida que nos levou a "Guindaste a Rigor". Elio Manoel e Aderson Benvindo (parceiro em: Lá vem a onda") que trabalharam quase com febre; Beto Matarazzo e Durval do "SESC", que têm um senso crítico muito agudo; João Araújo, Lais Marques e Valdez, parceiros em "Distância" e "Jimmy Renda-se"; todos ajudaram muito".
Para finalizar o texto de contracapa Tom Zé arremata num Tom de Protesto:
"Aproveito a ocasião para informar que a Prefeitura de São …

Bateria #1 - Surgimento

Imagem
A seção rítmica das bandas militares, até meados de 1900, normalmente incluía tarol, prato a dois e bumbo tocado em pé. Instrumentos que funcionavam conjuntamente enquanto seção rítmica e necessitavam de vários percussionistas para soarem em grupo. Alguns anos depois surgiam as primeiras experimentações com kits de bateria. Ou seja, a possibilidade de agrupar tambores para que o mesmo percussionista executasse ritmos concomitantemente. Inclui-se então a utilização de mãos e pés na performance rítmica.
A música popular americana do século XX, em especial o Jazz e o Rock, é responsável por tornar a bateria um instrumento tradicional nas formações instrumentais de grupo ou em bandas.  O kit padrão com bumbo, caixa, chimbal, tambores e pratos suspensos começa a estabelecer-se nas décadas de 20 e 30. Em especial com bateristas americanos como Warren "Baby" Dodds, Ray Bauduc e Zutty Singleton.
O termo bateria passa a representar um conjunto de tambores e pratos organizados ao redor d…